• Heloiza "h1za" Coelho

Uma introdução a Takashi Miike


Tanto como uma força da natureza quanto um cineasta, Takashi Miike é o maior diretor vivo do Japão.


Leia também
O cinema de Wong Kar-wai


Com uma combinação de talento bruto e uma necessidade aparentemente insaciável de criar, ele possui um currículo maior que uma lista telefônica. Seguindo a onda J-Horror no final dos anos 90, inicialmente encontrou fama no Ocidente com filmes surpreendentemente pesados, que deixaram o público inconsciente e ofegante.


Como resultado, ele foi demitido e acusado por alguns como um cão doentio que só podia fazer pornografia e tortura. Mas esses críticos não perceberam que, no Japão, Miike tinha um currículo rico e eclético de trabalho, tendo dirigido comédias, filmes de ação, dramas, programas de TV familiares e até um musical.


Como seus colegas ocidentais Martin Scorcese e David Lynch, Miike tem uma atração pelo visceral, mas nunca é limitado por ele. Todavia, sua reputação de ultra-violência é merecida, com uma parcela considerável de sua produção dedicada a filmes de Yakuza.



Nascido em Osaka, Takashi se formou na escola de cinema de Yokohama. Seus primeiros passos na direção vieram através de lançamentos em vídeo, com os quais ele foi capaz de esticar e desenvolver suas habilidades ainda mais. Anos mais tarde, finalmente conseguiu seu nome nas salas de cinema através de uma série de dramas de crimes extremos, a começar pelo filme Shinjuku Triad Society em 1995. Foi aqui que Miike solidificou sua mistura de violência, a qual envolvia personagens bizarros e difíceis de serem digeridos.



Entretanto, Miike ainda conseguia tempo para experimentar diferentes gêneros, como a história de amor Andromedia e o drama socioeconômico The Bird People in China, ambos lançados em 1998. Mas no ano seguinte ele faria o filme que finalmente o lançou no exterior.



Apesar da reputação de um clássico de terror, Audition é um filme que tem muito pouco horror gráfico até seu clímax. O que precede tudo isso é um estudo gentil e comovente sobre a natureza da solidão e o que algumas pessoas fazem para tentar contorná-la.


Mas dois anos após Audition, Miike faria outro marco do J-horror, o delirantemente exagerado Ichi The Killer. Dependendo do que você lê ou com quem fala, Ichi é o filme mais violento já feito, tão difícil de suportar que ainda é proibido em alguns países. Com um olhar mais perspicaz, no entanto, verá um filme com um senso de humor negro e uma sensibilidade em quadrinhos muito estranha para ser levada a sério, mesmo remotamente.



Apesar das diferenças, tanto Ichi quanto Audition foram divisores de águas para Miike no Ocidente e ele começou a ganhar credibilidade. Mas ele não tinha interesse em se mudar para Hollywood ou diluir sua arte, preferindo simplesmente manter a linha de produção final. Ele continuou então a série habitual de filmes de gângsteres e adaptações de mangá/anime até 2010, quando lançou um de seus melhores filmes de todos os tempos, 13 Assassins.


O filme é, em essência, como os dois primeiros atos: um drama histórico sombrio e bem filmado antes de um clímax estupendo de uma hora, em que um exército de 200 samurais se defronta com mercenários contratados para matar um sádico senhor da guerra. À medida que o longa se aproxima do seu terrível fim, o espectador pode então virtualmente sentir o cheiro do sangue, muito do qual foi derramado sem piedade na tela.



O filme é uma maravilhosa mistura de estilos, mostrando uma maturidade na técnica de criação de filmes de Miike. E essa maturidade estaria novamente em exibição em sua peça melancólica do período, Hara-Kiri: A Morte de um Samurai (2011 e 2012), e no thriller Straw Shield, que seria indicado para a Palme D'or em Cannes.



Mesmo na velhice, o ritmo de Mike tem sido tão constante quanto sempre. Ele dirigiu uma adaptação do jogo imensamente popular Ace Attorney em 2012 e quase chegou a dirigir um drama policial ambientado em Tóquio após a Segunda Guerra Mundial, com Tom Hardy interpretando um soldado americano envolvido com a Yakuza. Infelizmente, isso não aconteceu, mas em 2017 houve o lançamento japonês de Blade of The Immortal, uma adaptação de um dos mangás mais vendidos nas bancas.



Nas próprias palavras de Mike:


Gosto muito de trabalhar com limitações ou restrições. E se eu encontrar um espaço no filme para me expressar, estou muito feliz. Estou me descobrindo como diretor o tempo todo.

Leia também:
Filme "O Poço": entenda os 4 significados fílmicos


Quer saber mais sobre o universo GEEK? Então siga o Otageek no Twitter,  no Facebook e no Instagram.

otageek amazon prime .jpg