• Ian Paranhos

Crítica | The Midnight Gospel é genuinamente uma experiência única

Atualizado: Jul 16

Eu poderia entrevistar você para... meu SpaceCast?


Antes de explicar a minha experiência com a série, que antes de tudo é importante reforçar o título, é genial e impecável, vou começar lhes introduzindo ao assunto. The Midnight Gospel é uma série animada da Netflix, produzida por Pendleton Ward, roteirista de Hora de Aventura, e Duncan Trussell, comediante americano conhecido pelo seu podcast "The Duncan Trussell Family Hour".


O desenho consiste em 8 episódios protagonizados pelo jovem Clancy, que possui um SpaceCast no qual faz podcasts espaciais. Por meio de um simulador, ele consegue viajar por mundos diferentes, encontrando zumbis, homens com cabeça de aquário, a morte, cervos-cadela, entre vários outros. O jovem então entrevista todas essas diversas criaturas memoráveis, com pensamentos filosóficos retirados diretamente de cortes realizados do Podcast de Duncan, pairando entre temas como drogas, vida, morte, existência, amor e o que mais o seu coração abstrair.



Agora, devidamente apresentados, vamos à explicação de porque esse é um dos melhores lançamentos no universo dos desenhos, e um dos melhores lançamentos da Netflix de todos os tempos. The Midnight Gospel foi uma total experimentação: nunca foi feito antes um desenho em cima de um podcast. E como a mídia de podcast é muito profunda e densa, com horas e horas de fala, acaba não sendo logicamente viável fazer isso com vídeos de fundo, utilizando a possibilidade visual.


The Midnight Gospel simplesmente ignora tudo isso e coloca pra você 20 a 30 minutos de toda a psicodelia, criatividade e ritmo de Hora de Aventura. E mais, faz você digerir isso enquanto houve de 20 a 30 minutos de conversa pesada e filosófica retirada de um podcast.


Devido ao conteúdo, você acaba voltando e vendo de novo uma cena 2, 3, 4 vezes pra tentar entender como o protagonista com cabeça de galo e uma cervo-cadela azul foram triturados depois de sair do banheiro. Ou talvez pra tentar entender como, nesse mesmo momento, essa cervo-cadela azul acabou em uma conversa falando sobre câncer terminal e aceitação da morte de entes queridos, já que tudo isso faz parte da vida.



Nos primeiros momentos você pode até não gostar desse ritmo acelerado e disruptivo, mas aos poucos isso vai te agradando, e o fato de você ter que voltar um pouco às vezes não se torna um empecilho mais. E a forma como essa animação foi feita não transparece que é apenas um "podcast animado": todos os personagens tem caraterísticas especiais, tem carisma e sentimentos. Tudo parece ter sido feito com um carinho e amor absurdos, e todos os personagens, histórias, músicas... além de terem um impacto direto no tema discutido no podcast do episódio, ainda dão uma cronologia ao universo da série, com continuidade e identidade.



The Midnight Gospel é uma experiência que causa sensações únicas: tem músicas lindas, uma animação perfeita e temas pertinentes. É instigante e te faz querer assistir sequencialmente cada um dos episódios... do que mais você precisa? A série me fez ter interesse até pelo podcast original, que parece ser fenomenal. Essa, além de uma crítica e recomendação para todos vocês, é um apelo para assistirem e a série ser assim continuada.


Eu poderia terminar esse texto apenas escrevendo a nota final (o que acho meio brega), ou até mesmo colocando uma frase impactante de algum dos diversos personagens incríveis, mas vou apenas terminar falando: deem uma chance a essa animação. Nada do que eu disser para finalizar esse texto será tao incrível quanto a sua experiencia.


O Otageek é um portal de jornalismo cultural independente que produz conteúdo sobre cultura pop com uma abordagem mais próxima do Jornalismo e distante dos clickbaits e fake news.

© 2020 - Otageek BR . All Rights Reserved.