• Bruno Caixeta

Review | Phoenix Wright: como (não) ser um advogado de sucesso


Visual Novels são jogos muito comuns no Japão, mas não tão conhecidos no ocidente. Em resumo, são livros animados interativos, nos quais normalmente você controla as escolhas de um personagem e, a partir disso, a história toma um rumo diferente dependendo do que foi escolhido.


Por ser um estilo de jogo muito comum no oriente e comparativamente fácil de criar, existem diversos cenários de jogos: alguns ecchi/hentai, alguns/a maioria de romance (inclusive sobre namorar pombos....... Tá duvidando? chama Hatoful Boyfriend) e também sobre o dia-a-dia trabalhando como advogado (e é sobre esse que vamos conversar hoje).



Phoenix Wright: Ace Attorney (pelo menos a trilogia original, que é a que vai ser discutida aqui) é um visual novel que trata do dia-a-dia de um advogado nada normal. Recém-formado na faculdade de direito, nosso protagonista Fênix Veríssimo (em tradução livre) é acompanhado por sua amiga, uma canalizadora de espíritos, nas suas defesas de casos muitas vezes tidos como impossíveis.


E para conseguir vencer esses casos, é necessário investigar (ilegalmente) as cenas dos crimes e obter provas (que serão mantidas escondidas) para virar a corte de ponta a cabeça. Tá certo que seu compromisso é com a verdade e tal.... mas talvez devia ser com a lei também.


Gosta/interessou por visual novels? Leia também:
- Review | Emily is Away
- Review | Florence


Jogabilidade


A jogabilidade pode ser resumida como quase inexistente. O jogo é dividido em duas partes:


1 - A investigação, durante a qual Phoenix deve conversar com o suspeito e todos os envolvidos no caso, o que é feito por escolhas de diálogo. E enquanto isso ele procura qualquer prova no cenário do crime e lugares associados, o que é feito selecionando pontos/locais para serem investigados dentro de um cenário. Durante essa parte, o jogo não permite avançar de estágio sem ter conseguido todas as provas e informações necessárias.



2 - O julgamento, onde são debatidas tais provas e fatos conseguidos no estágio anterior. Durante esse momento, é possível entrevistar os acusados e associados e apontar incongruências entre o que falam e os fatos/provas que você possui. Portanto, é possível ter um "game over" e ter que reiniciar do seu último save ou do início dessa etapa. Se você apresentar provas que não se relacionam com a mentira de quem está sendo entrevistado repetidamente em um mesmo dia, o juiz declara seu cliente culpado. A dificuldade, então, se trata de prestar atenção em toda a história e em todas as falas e ter raciocínio lógico o suficiente para perceber tais incongruências.



Gráficos


A trilogia original de Ace Attorney (nome da série) foi lançada no Game Boy Advanced e, portanto, é completamente em 2D, com gráficos em pixel art. Já a remasterização apresenta gráficos estilo anime, mas sem perder a essência original. Ela é, inclusive, magnífica: cada personagem tem um design muito interessante e único e expressões muito bem detalhadas, cada cenário transmite personalidade e é inesquecível. Seja em qual versão for, não é um jogo que impressiona pela qualidade técnica, mas impressiona pelo design marcante.



Os Personagens


Os personagens são a base da história e o que marca toda a série Ace Attorney. A maioria são caricatos e extremamente divertidos de se conversar, com suas personalidades e características únicas e bem exageradas. E assim como todo bom drama japonês, quase todos eles têm uma história triste que se entrelaça com outro(s) personagem(s).



Não faria jus aos personagens serem descritos em meros pedaços de texto, então deixo que você, leitor interessado, jogue e descubra cada linha de texto dita por eles.



Vale sim a pena passar por toneladas de texto e por eventuais travadas na investigação (as vezes faltou investigar o cantinho esquerdo do chão do escritório do amigo do acusado) por causa dos personagens, para ver o que mais eles irão te contar, inventar e declarar.


A trilha sonora


Novamente, por ser um jogo originalmente para GBA, ele tem suas limitações. Porém, todos os compositores fizeram um ótimo trabalho: é comum se pegar "cantando" junto com a trilha sonora, que acompanha muito bem os momentos alegres, tensos e tristes. Mesmo sendo composta de loops, que são ouvidos repetidamente enquanto se joga, eles não são cansativos e acompanham muito bem toda a série.



Interessou?



A série original está disponível para GBA, Nintendo DS, Nintendo 3DS, Steam, Android e Iphone (não tem desculpa pra não jogar). E embora nenhuma das versões esteja originalmente disponível em português, a equipe de Jacutem Sabão disponibiliza atualizações dos dois primeiros jogos e parte do terceiro (até agora... com suporte, quem sabe eles conseguem terminar toda a série) com uma adaptação muito bem feita para o português. Mas vale lembrar que os jogos traduzidos são para DS e 3DS, mas é possível jogar em emulador no computador ou mesmo no celular seguindo os passos necessários.



Quer saber mais sobre o universo GEEK? Então siga o Otageek no Twitter,  no Facebook e no Instagram.

otageek amazon prime .jpg