Review | Jenny Le Clue – Detectivu

Atualizado: Ago 27


Jogo avaliado para a plataforma Nintendo Switch.



Jenny Le clue consegue brilhantemente capturar sua atenção desde seus primeiros momentos, com uma arte fantástica, personagens cativantes e um mundo rico de detalhes e história.


Bem-vindo a Arthurton, uma pequena cidade como qualquer outra, exceto talvez pelo seu lago que brilha durante a noite, uma misteriosa figura encapuzada e um túnel tecnológico ativado por um botão no meio do lago. O início de Jenny Le Clue já te joga de cara em seu mistério, te mostrando a atmosfera que iremos ter ao longo do jogo. As cenas iniciais já te preparam para o mecanismo de escolhas, assim como um primeiro puzzle simples.


Jenny Le Clue é uma aventura point and click 2D, com opções de escolha de diálogo, vários puzzles e cenários ricos em detalhes, mistérios pare se achar e colecionáveis espalhados.



Após a pequena introdução misteriosa, somos apresentados ao autor Arthur K. Finkelstein, que escreve as histórias de Jenny. Ele está em apuros, pois os contos da pequena detetive não lucram mais como antes. Em uma última tentativa, então, Arthur precisa escrever sua história mais ousada, sendo obrigado até a matar um personagem, algo que antes era inconcebível para ele. Sendo assim, somos apresentados a Jenny e o seu maior caso.


Leia também:
Rocket Arena vale mesmo tudo isso?
DC FanDome | Game do 'Esquadrão Suicida' ganha seu primeiro trailer

Como se trata de um jogo cheio de puzzles e detalhes escondidos, ele apresenta sua mecânica aos poucos e de forma bem natural, mas sem dar muitos detalhes, fazendo com que você descubra por si só como ele funciona. O próprio jogo te inspira a ser um detetive, já que ao não explicar detalhadamente as mecânicas, ele te obriga a explorar, assim como buscar os segredos e colecionáveis pelo cenário.


Nos estilos de puzzles temos uma boa variedade, como quebra-cabeças, achar pistas para interrogar suspeitos e até desvendar certos objetos eletrônicos. Esses desafios são muito bem feitos e até fazem você se sentir como um detetive de verdade. No final de cada puzzle, em cada um dos mistérios em que Jenny precisa fazer suas deduções, você deve conectar os pontos do que aconteceu. E essa parte é extremamente bem feita e cheia de detalhes artísticos, mesmo quando você erra as conexões.



O mundo de Jenny é extremamente vívido e seus personagens são tão intrigantes que é difícil não amar até aqueles mais excêntricos, a exemplo do próprio CJ (Voz por Stuart Krug). Como a protagonista, Jenny funciona muito bem e sua honestidade e comentários sarcásticos trazem o humor necessário para a narrativa.


Além disso, eu preciso destacar a personagem Suzie Glatz, que é de longe uma das mais divertidas da trama. Seu jeito me remete a uma versão super-inteligente da Deedee do laboratório de Dexter, e Suzie é tão encantadora que rouba a cena de tempos em tempos. Com um trabalho de voz excelente de Elinor Lawless como Jenny e Meg McClain como Suzie, as duas acrescentam uma vida para as personagens, as quais já são fantásticas.


Já na história do jogo, você pode esperar um mistério intrigante que só se complica conforme vai chegando nas incríveis reviravoltas do último capítulo. Provavelmente vão fazer você ficar pensando nelas por um bom tempo. Ao longo do caminho, o jogo vai te dando dicas importantes, então é importante tomar seu tempo com Jenny Le Clue para não perder nenhum detalhe.


Jenny Le Clue, com toda sua genialidade e ambiente interessante, vai te deixar desejando que pudesse ter mais a se fazer além de seguir a história. Em muitos momentos, você vai desejar que o jogo te permitisse explorar Arthurton ou até mesmo passar mais tempo com Suzie e Keith fazendo quests. E apesar de não me importar com uma narrativa bem feita e focada, talvez alguns pequenos pontos de maior liberdade, como foi feito no jogo Night in the Woods, poderiam ter feito Jenny Le Clue ficar mais perfeito.


Leia também:
Revelado novo trailer do jogo "The Lord of The Rings: Gollum"

A versão para Switch do jogo funciona perfeitamente, os controles se encaixam de forma fluida e durante meu jogo experienciei apenas um bug, mas nada que atrapalhasse a experiência. O jogo também tem um carregamento rápido, o que ajuda caso qualquer problema ocorra. Vale destacar ainda que, no modo handheld, o jogo parece muito mais natural do que na tela grande, parecendo mais charmoso e colorido quando o videogame não está na TV.


Como um enorme fã da indústria de jogos indies, posso falar com convicção que Jenny Le Clue é uma incrível produção, que com certeza vai para minha lista de jogos favoritos. Com certeza retornarei para colecionar todos os cartões postais, stickers ou até reviver a ambientação incrível que me lembra uma mistura perfeita de Veronica Mars com Nancy Drew.


Conclusão


Jenny Le Clue é um point click que não decepciona, seja pela sua história envolvente, seus gráficos 2D incríveis com arte desenhada a mão ou seus puzzles divertidos. Realmente espero que esse jogo se torne uma franquia longa, pois seu carisma é suficiente para transformar Jenny e seus amigos em personagens de sucesso. Além disso, com aquele final de revirar a cabeça, vamos precisar de uma sequência em breve!


Jenny Le Clue está disponível para as plataformas PlayStation 4, Android, Xbox One, Microsoft Windows, iOS, Linux, macOS, Mac OS Classic e faz sua estreia no Nintendo Switch no dia 26/08 (Hoje!)



Quer saber mais sobre o universo GEEK? Então siga o Otageek no Twitter,  no Facebook e no Instagram.

O Otageek é um portal de jornalismo cultural independente que produz conteúdo sobre cultura pop com uma abordagem mais próxima do Jornalismo e distante dos clickbaits e fake news.

© 2020 - Otageek BR . All Rights Reserved.