• Heloiza "h1za" Coelho

Review | Coisa Mais Linda

Atualizado: Set 26


Uma experiência brasileira tão boa quanto Bossa Nova.


Leia também:
Crítica | The Midnight Gospel é genuinamente uma experiência única


No final dos anos 50, Maria Luiza (Maria Casadevall) abre um clube de Bossa Nova e cria uma bela amizade com um grupo de mulheres fortes e distintas. Maria Luiza, que agora é Malu, Lígia (Fernanda Vasconcellos), Thereza (Mel Lisboa) e Adélia (Pathy Dejesus) mostram o engatinhar da liberdade feminina no nosso país. Cada uma possui sua personalidade e história ambientada, o que nos faz ter um olhar peculiar e carinhoso em relação a cada personagem. Vale destacar ainda que as críticas sociais da época, representadas na trama, permanecem muito atuais. Adélia é a moça negra e mãe solteira, Lígia sonha em seguir sua carreira artística e Thereza é uma mulher a frente do seu tempo.



Ambientação nos anos 50


A série toma todos os cuidados e atenção aos detalhes, da fotografia ao figurino: entrega a personalidade de cada personagem com situações e roupas específicas, tudo se encaixando com o tom e o ritmo da época.

A fotografia azulada e amarelada lembram as primeiras máquinas fotográficas da época. Destaco ainda a musicalidade do lugar, onde tudo acaba em música. É tudo muito sensível de se ver.



'Coisa Mais Linda' pode até não ser uma série excepcional, mas cumpre seu papel

Isso ocorre especialmente quando é tão difícil encontrar séries que não colocam personagens fortes como rivais. Além disso, consegue ser em alguns momentos uma novela e constrói uma história emocionante e com um final dramático, o qual nos deixa esperando ainda mais.


Leia também:
Sororidade: 11 reflexões contidas em filmes & otageekcast #17

Quer saber mais sobre o universo GEEK? Então siga o Otageek no Twitter, no Facebook e no Instagram.




otageek amazon prime .jpg