Resident Evil 3 Remake - Crítica

Com a jogabilidade melhorada e um Nemesis implacável, o remake muda locais e enredo, com mais foco na ação, mas sem perder o terror icônico da série.


"Do you want S.T.A.R.S.? I'll give you S.T.A.R.S.!"



Em dezembro de 2019, a CAPCOM anunciou o desenvolvimento do Remake de Resident Evil 3, jogo o qual grande parte dos fãs da franquia consideram o melhor da antiga geração. Certamente, Resident Evil 3, lançado em 1999, deixa sua marca em qualquer jogador que decidir se aventurar por Raccoon City: o jogo conta com um ambiente de terror, suspense e locais lotados de zumbis, criaturas derivadas de mutação e ele.... o Nemesis, a criatura mais icônica dos jogos de survival horror e o rei do jump scare.



A data de 03 de abril de 2020 estava sendo esperada por muitos jogadores, pois ela marcava a estreia de um dos remakes mais aguardados de 2020: Resident Evil 3 Remake. A CAPCOM fez questão de deixar o “remake” de fora do título, pois o jogo seria uma reimaginação de toda história do jogo antigo e não somente uma cópia.



Desenvolvido com o uso da RE Engine, o jogo ficou graficamente perfeito: tanto os inimigos como os ambientes ficaram detalhados e incríveis de se admirar. A ambientação do jogo, bem como todo o jogo de luz e sombras está incrível de se ver, e o mesmo pode ajudar o jogador a evitar alguns problemas (sério, prestar atenção nas sombras pode te salvar de entrar em um beco escuro e dar de cara com um zumbi).


Outro ponto forte e também nostálgico é a trilha sonora, pois a mesma sofreu uma “reciclagem”, mesclando uma trilha sonora nova com a trilha sonora antiga. Podemos dizer ainda que o tema do Nemesis está perfeito (corra assim que o ouvir).



Certo, os gráficos e a ambientação do jogo estão perfeitos, mas e a jogabilidade? Também está ótima! A CAPCOM fez questão de mostrar o quanto a Jill e o Carlos são experientes em combate, encaixando mecânicas de esquiva e golpes de faca nos dois: enquanto Jill consegue se esquivar dos inimigos e atirar no momento certo, Carlos consegue derrubar os inimigos com um golpe de ombro ou um forte soco. Uma mecânica semelhante existia no antigo Resident Evil 3, porém nesse remake a mesma foi melhorada para te ajudar ou te prejudicar, pois quando se esquiva errado sua defesa fica aberta e um zumbi pode te jogar no chão e dar muito dano.



Grandes cenas de ação não-interativas exibem todo o poder visual do título e da tecnologia de captura de movimentos impressionante da CAPCOM. Resident Evil 3 Remake é uma obra cinegráfica tanto visualmente quando em enredo. Com um enredo direto e desenvolvimento impressionante de seus personagens, o jogo envolve o jogador e o faz criar carisma pelos mesmos.



Carlos Oliveira, no antigo Resident Evil 3, era somente um personagem aleatório e sem carisma que flertava com a Jill. Já nesse remake ele foi melhorado, seu desenvolvimento como personagem é incrível e envolvedor e sua gameplay é desafiadora.



Jill continua sendo uma protagonista icônica: seu desenvolvimento para lidar com problemas físicos e mentais está incrível e a mesma continua batendo de frente com Nemesis sem hesitar.



O icônico Nemesis está implacável: ele salta portões, pula de paredes, solta combos físicos, usa lança foguetes, lança-chamas e ainda puxa a Jill com tentáculos. Ele continua fazendo o que fazia e muito mais nesse novo jogo. Sua aparência mete medo em qualquer um, e suas novas formas estão incríveis.



Outro personagem que merece destaque nesse remake é o Nicholai, o qual é melhor trabalhado e te faz ter muito ódio e surtos com o mesmo.



Mas nem tudo são flores e elogios, o jogo possui alguns defeitos: o mesmo se tornou mais “curto”, perdeu alguns puzzles e algumas áreas antigas, porém ganhou novas áreas e puzzles novos. Alguns inimigos clássicos foram cortados, o que pode causar algum receio naqueles fãs mais saudosistas. O tempo explorando as avenidas de Raccoon ficou menor e o trajeto por essas se tornou mais direto.



Mas não deixe o saudosismo lhe impedir de jogar: o jogo está incrível e merece uma chance, pois mesmo sendo considerado um jogo curto, ele é um ótimo jogo e faz jus ao seu legado.

O Otageek é um portal de jornalismo cultural independente que produz conteúdo sobre cultura pop com uma abordagem mais próxima do Jornalismo e distante dos clickbaits e fake news.

© 2020 - Otageek BR . All Rights Reserved.