Representatividade em animações: a jornada de personagens LGBTQ+ em desenhos infantis

Atualizado: Ago 28


A luta por mais representatividade em produções televisivas é longa, mas a parte mais árdua continua sendo em desenhos animados cujo foco é o público infantil.


O conteúdo infantil na mídia sempre foi muito controlado por associações de pais, empresas e valores conservadores que ditam o que é ou não conteúdo adequado para crianças. Esses valores e ideias tem forte influência até hoje, afetando muito quais shows são cancelados ou até escolhidos para serem produzidos.


Se você está pensando “mas nossa, estamos em 2020, nem é tão difícil assim ter representatividade na TV”, então aqui descobrirá o quão enganado está e como muito mudou há pouco tempo graças a uma pessoa bissexual não-binária: Rebecca Sugar.



A produção de desenhos e a representação aceitável


Desenhos e animações possuem um ritmo de produção e desenvolvimento completamente diferente de séries de TV e filmes. Costumamos ver que séries correm em suas produções e possuem alguns meses entre os tempos de produção para logo retornarem em novas temporadas, enquanto filmes têm uma média de um ano de produção para lançar no ano seguinte.


No caso de animações e desenhos, pode haver até 2 anos de produção para que o primeiro episódio seja lançado. Sendo assim, são processos bem mais extensos que os de outras produções.


Para exemplificar melhor, She-Ra do Netflix começou a ser produzido em 2016 e só teve sua estreia em 2018, enquanto Steven Universe teve sua ideia aprovada em 2009 para ter o primeiro episódio lançado apenas em 2013.


Esse processo mais longo permite que muita coisa seja controlada, já que diversos episódios ficam prontos e só são lançados muito tempo depois. Nesse processo de controle, podemos ver com clareza como cada país tem os valores que considera apropriados, e por isso acabam mudando falas dos episódios ou até banindo certos episódios do desenho.


Casos clássicos foram as edições em Sailor Moon, nas quais colocaram Netuno e Urano como primas, e o romance abafado de Touya e Yukito do desenho Sakura Card Captors.



Em diversas entrevistas com criadores de desenhos famosos como Alex Hirsch (Gravity falls) e Rebecca Sugar (Steven Universe), é possível ver eles comentando sobre as dificuldades de conseguir colocar personagens LGBTQ+, por menores que sejam.


Hirsch comenta em uma entrevista que em um episódio da segunda temporada de Gravity Falls tentaram colocar um casal de mulheres se apaixonando em uma das cenas e receberam uma nota do estúdio falando que aquilo não era aceitável. Não satisfeito, enviou uma resposta perguntando o porquê e foi ignorado.


O diretor ainda enfrentou diversos problemas na criação do casal de policiais gays da série, que acabaram tendo apenas de modo implícito o romance.


Enquanto isso, Sugar sofreu logo de cara para vender a ideia de um menino que gostava de rosa, era criado por mulheres e que seu pai vivia em uma van. Ela foi acabar tendo ainda mais problemas em 2014, quando deixou claro a origem de Garnet como uma personagem LGBTQ+.


A diretora, em entrevista, comenta que recebeu um aviso falando que dependendo de como ela abordasse poderia ter o show cancelado.



Assistindo as obras e lendo as entrevistas, vemos um padrão muito claro em desenhos animados que querem produzir histórias mais maduras e incluir a representatividade. No caso, o padrão consiste em omitir inicialmente a representatividade, alcançar um público e fama que garanta uma longevidade para o show e só a partir daí inserir a representatividade.


E mesmo seguindo essa fórmula, diversas representações ainda passaram escondidas. Podemos observar The Legend of Korra, que só deixou claro a relação de Asami e Korra nos momentos finais. Ou até mesmo Adventure Time, que teve Princesa Jujuba e Marceline por diversas temporadas mencionando seu relacionamento de maneira subliminar para ter um beijo super rápido no episódio final, o qual pode ser confundido por pessoas em negação com um abraço.



A ascensão da representatividade e o novo futuro de personagens LGBTQ+


Apesar das dificuldades para uma representação natural e decente, uma onda de mudanças começou a surgir em 2018, trazendo grandes avanços e marcos que mudaram os programas de desenhos infantis. Um desses marcos, que mudou as possibilidades do que é apresentado em desenhos, foi o casamento de Rubi e Safira em Steven Universe.


Com a popularidade de Steven Universe aumentando as possibilidades, Rebecca Sugar elevou o nível e, em uma árdua batalha de anos contra o estúdio, conseguiu aprovação para produzir o primeiro casamento LGBTQ+ de dois personagens principais.


Antes mesmo do episódio começar a ser produzido, Sugar foi chamada em uma reunião particular na qual explicaram o risco do episódio para o futuro da série caso ela quisesse continuar.


O episódio do casamento teve suas discussões iniciadas em 2016 e foi ao ar em julho de 2018

Somando este marco com mais de 13 prêmios (5 deles sendo Emmys) que Steven Universe levou em sua produção ao longo dos anos, percebe-se as possibilidades e o sucesso que um desenho pode ter quando se envolve em temas importantes.


Hirsch, em uma entrevista, chama Rebecca Sugar de o "Moisés" da animação, que está abrindo o mar no meio e possibilitando novas criações. Rob Sorcher, vice presidente executivo do Cartoon Network, também elogia a criadora e comenta as ondas de mudanças trazidas por ela, mencionando que a empresa está trazendo diversos novos escritores e que 52% da equipe de produção agora são mulheres.


No mesmo ano, tivemos estreias de She-Ra e O príncipe dragão, que trazem em suas histórias todo tipo de representatividade, desde representações masculinas positivas e casais LGBTQ+ explícitos, até diversidade em representações de corpo e deficiências.



She-ra, assim como Steven Universe, mostrou grande impacto por logo de cara se nomear um desenho que iria trabalhar representatividade. O desenho cumpriu sua promessa e entregou todo tipo de diversidade possível.


A animação também trouxe, em sua finalização, o romance de Adora e Felina, que já era esperado por muitos devido à construção ao longo da série inteira, mas que culminou em um arco poderoso e explícito sobre a relação das duas. Com essa jornada, Adora se torna a primeira protagonista LGBTQ+ que, de forma aberta, encerra a história com um par romântico do mesmo sexo em um desenho infantil.


O futuro dos desenhos infantis parece promissor: podemos ficar felizes por saber que muitos desenhos estão trazendo representatividade para mostrar o mundo como ele realmente é, em todas as suas cores e diversidade. Assim, esperamos que ao assistir esses desenhos, as crianças se sintam inspiradas a serem e seguras para serem quem elas são.



Quer saber mais sobre o universo GEEK? Então siga o Otageek no Twitter,  no Facebook e no Instagram.

otageek amazon prime .jpg