• Dan Profirio

Review | Scourgebringer - Veloz, furioso e lindo

Atualizado: Set 19


Ação frenética e dificuldade em um Metroidvania com muito estilo.



Scourgebringer, jogo no estilo Metroidvania do produtora Flying Oak, já me conquistou nos termos de acordo com o jogador (a EULA). Parece estranho falar isso porque geralmente quase ninguém lê essa parte (eu incluso) e já aceitam os termos. Mas exatamente por saber disso os desenvolvedores colocaram uma surpresa. Sem spoilers, mas fiquei com vontade de testar em casa a dica que eles dão.


Vamos para a parte importante, que é o jogo em si.


A história do jogo nos apresenta Khyra, a mais poderosa membro de seu clã, que foi escolhida para entrar no monólito de pedra de gigante que trouxe a destruição para o mundo, o Scourgebringer.



Acompanhado de um robô que serve para informar a protagonista, você entra no labirinto de salas geradas aleatoriamente e deve encontrar o seu caminho até a sala do Boss, conseguindo assim seguir para o próximo nível.


O jogo está em seu Beta 1.31 no momento desta review e as mecânicas estão bem polidas e a jogabilidade flui sem problemas. O tutorial no começo nos mostra as habilidades de combate de Khyra e ela, diferentemente de outros jogos do gênero, já começa com a habilidade de dar um pulo duplo, usar o dash para cruzar uma distância maior e usar sua arma secundária (uma arma que recarrega os tiros à medida que você derrota inimigos). Apesar disso, não se deixe enganar, o jogo é difícil (não absurdamente difícil, mas punitivo) e no começo você pode não ser capaz de avançar muito com as habilidades que você possui.


Escondida em salas no mapa do andar que você se encontra, estão dois lugares importantes para se visitar. O primeiro é o vendedor, onde você pode trocar o sangue dos inimigos que você derrotou (a moeda do jogo) por upgrades para suas armas ou para recuperar seus Pontos de Vida. Os itens disponíveis também são gerados aleatoriamente e muitas vezes pode ser que você não consiga comprar nada. A segunda sala é onde se encontram os Altares de Sangue, onde você pode desbloquear uma Benção de Sangue que irá auxiliar em sua jornada.



Os inimigos nas salas são enfrentados em duas ondas, que assim derrotadas liberam o caminho para avançar na exploração. O combate é bem fluido e a movimentação é frenética, mas caso você não avance com cautela, isso pode ocasionar em dano para sua personagem e até mesmo a morte (algo que vai acontecer com frequência, acredite). Quando Khyra é derrotada, ela é enviada à Árvore da Harmonia, perdendo todo o sangue e equipamentos que você possa ter conseguido no caminho.



Caso você tenha conseguido derrotar algum inimigo mais poderoso, ou mini boss antes de ser derrotado, você carrega consigo um item que pode ser usado para liberar habilidades na sua árvore de habilidade antes de entrar novamente para enfrentar o labirinto. Um ponto que eu gostei bastante é o fato de a Árvore de Habilidades ser enorme, com variações que podem adaptar Khyra para seu estilo de jogo.



A trilha sonora também é maravilhosa, com a música ao entrar no labirinto aumentando em ritmo e velocidade conforme a batalha se intensifica.


Ainda no Acesso Antecipado, alguns NPC's e mundos não estão finalizados e terão suas falas e outros inimigos alterados, mas você consegue (com esforço e perseverança) chegar até o quinto mundo The Old World. A intenção da desenvolvedora é de criar seis mundos cada um com seu grupo de inimigos e chefes diferentes para se enfrentar. Confira no trailer abaixo um pouco da jogabilidade e da ultima atualização antes do lançamento do jogo fora do Acesso Antecipado.



O ritmo alucinante, o combate fluído lembrando jogos como Dead Cells e Celeste, mas com características que dão vida própria fazem Scourgebringer uma ótima adição para qualquer um que seja fã dos jogos do estilo. Outro ponto positivo para o jogo é ele estar totalmente traduzido para o português. O jogo está em Acesso Antecipado na Steam, com data de previsão para seu lançamento para o dia 21 de Outubro.


Scourgebringer será lançado para PC, Nintendo Switch e Xbox One.


Leia também:
Review | Nexomon: Extinction
Review | As Far As The Eye
Vazou todo o evento do Xbox Series X

Apoie o Jornalismo Cultural seguindo o Otageek no Twitter, no Facebook e no Instagram.

O Otageek é um portal de jornalismo cultural independente que produz conteúdo sobre cultura pop com uma abordagem mais próxima do Jornalismo e distante dos clickbaits e fake news.

© 2020 - Otageek BR . All Rights Reserved.