• Andy Silva

OTAGEEKCAST #26 | Representatividade LGBTQIA+ na cultura pop e 'Paris Está em Chamas' e seu marco

Atualizado: Ago 25


Paris Is Burning foi selecionado em 2016 pelo National Film Registry para compor a Biblioteca do Congresso como obra "cultural, histórica ou esteticamente significante".


Se você é fã de RuPaul's Drag Race ou de Pose, provavelmente já assistiu ou ouviu falar sobre esse documentário. Já para quem não conhece, prepare-se para entender onde surgiram muitas frases e bordões, além da própria ideia de categorias e desfiles.


"Shantay you stay"


Paris Is Burning é um filme-documentário estadunidense de 1990, dirigido e escrito por Jennie Livingston e gravado em diferentes fases da década de 1980


Na produção acompanhamos a vida da comunidade LGBT+ na cidade de Nova Iorque, mais especificamente dos negros, latinos, trans e drag queens. Para tal, ela aborda o funcionamento das Houses (casas e famílias que acolhiam os LGBT+ na época) e a cultura dos ball's, na qual os participantes competiam por troféus, prêmios e glória.



O documentário alterna sua narrativa a partir do contraste entre os sonhos de glamour e riqueza de seus entrevistados e a realidade bastante sofrida vivenciada no dia-a-dia. Mesmo sendo uma grande lição de humanidade, infelizmente parte do elenco do filme veio a falecer anos após as gravações. Uma das entrevistadas chegou até a ser brutalmente assassinada durante a produção do documentário.


Venus Xtravaganza (morta em 21 de Dezembro de 1988)

Mesmo presenciando o começo do surto de HIV em Nova York na época, a comunidade fazia dos bailes um local de aceitação e cultura. Muitos dos entrevistados falam que suas famílias nunca os aceitaram e, tendo a sociedade também lhes virado as costas, encontraram suas verdadeiras famílias nas Houses ("Casas"). Cada House possuía uma Mãe (geralmente uma pessoa mais velha) a qual acolhia pessoas que eram socialmente marginalizadas, seja pelo gênero, sexualidade ou etnia. A mãe as ajudava então a ter uma vida melhor, longe da criminalidade e riscos das ruas.



Todavia, os Ball's eram onde seus sonhos realmente aconteciam, entre competições individuais e em grupos. As competições não eram só pelos troféus: todos os participantes almejavam a glória para suas casas, e geralmente os desfiles aconteciam em categorias como Executive RealnessouTown & Country.



"Para nós, os balls são o mais perto que alguma vez estaremos de toda aquela realidade de fama, fortuna, estrelato e ribalta.”



Foi aí, nas estruturas do mundo ballroom, que nasceu o voguing — um estilo de dança inspirado nas poses que as modelos faziam nas páginas da Vogue, e igualmente influenciado pelos hieróglifos do Antigo Egito e pelos movimentos de ginástica. Frequentemente, a persona adotada pelos voguers era uma paródia codificada da feminilidade tradicional, que tanto glorificava como subvertia ideais de beleza, sexualidade e classe.


O voguing era uma forma dos participantes contarem a sua história, mas também era algo satírico, divertido e cômico, com os participantes a copiarem as poses das modelos da Vogue através de posições paradas ou movimentos que replicavam o de maquiar e arranjar o cabelo.


Come on, vogue (vogue)

Let your body groove to the music



Leita também:
O movimento da música pop que atravessa gerações

Lançado em março de 1990, o videoclipe de "Vogue" teve direção do renomado David Fincher, que antes de trabalhar em filmes como "Clube da Luta" e "A Rede Social", teve uma bem-sucedida experiência em videoclipes nos anos 1980 e 1990. Madonna e ele produziram o vídeo inspirados na década de 1930, em homenagem aos antigos musicais de Hollywood. A surpresa era a nova dança do momento, Voguing, até então desconhecida do grande público. Assim, Madonna ajudou a mostrar ao mundo a existência do Ball Culture do Vogue.


"Um negro e gay nunca poderia ser alguém de alto calão na sociedade, se vestir como um soldado nos Ball's era como a realização deste sonho"- diz um dos entrevistados em determinado trecho do documentário.

Hoje o Ball Culture vive e está voltando a ter os holofotes voltados para ele. Em suma, isso se deve à sua capacidade de se manter fiel às origens, mesmo quando novos estilos e comunidades emergem. Aquilo que começou em Harlem é hoje uma comunidade global e intergeracional: em 2016, um vídeo de um grupo de dançarinos de vogue numa vigília em Londres, em homenagem às vítimas do ataque à discoteca Pulse, em Orlando, tornou-se viral. Além disso, nos países onde os direitos LGBT+ são ameaçados, o voguing oferece um espaço para a cultura queer sobreviver. Afinal de contas, o voguing é uma forma de expressar a verdade do “eu”, de contar uma história, apresentar qualquer tipo de identidade e, talvez, lançar algum shade pelo caminho.


Que tal conferir esse documentário agora? Paris Is Burning se encontra disponível no Youtube.


Você não precisa fazer parte da comunidade LGBT+ para apoiar. Comece conhecendo mais sua história por esse documentário e celebre a vida e a diversidade!




Leita também:

#HappyPride: 5 Filmes com boa representatividade LGBT

Motivos para assistir Itaewon Class

Representatividade : 5 Personagens Trans das HQs

Crítica | Legendary Episódios 1 e 2

Em homenagem ao mês do Orgulho LGBT+, nesta semana parte da nossa redação, junto de um convidado especial, debate sobre como era ser LGBT+ no passado, referências e a representatividade para essa comunidade.


Spotify

Deezer

Itunes

Google Podcast

Download do episódio


Apresentação: Riuler, Bruna, Norman, Raissa e Pedro


Participação especial: Eduardo (Batata) do podcast Batata e suas Fritas.



Ou ouça online a partir do nosso player no Castbox:



Não se esqueça de nos seguir no Twitter, no Facebook e no Instagram para ficar por dentro de tudo que acontece no Otageek. 



otageek amazon prime .jpg

O Otageek é um portal de jornalismo cultural independente que produz conteúdo sobre cultura pop com uma abordagem mais próxima do Jornalismo e distante dos clickbaits e fake news.

© 2020 - Otageek BR . All Rights Reserved.