• Bruno Caixeta

O Frango do Lixo Voltou Depois de 26 Anos!! Análise de Streets of Rage 4 (Sem Spoilers)


A série


Para aqueles que desconhecem (e provavelmente nunca possuíram um Master System/Mega Drive ou frequentaram muitos Arcades), Streets of Rage é uma série de jogos Beat-em-Up que foca em descer a porrada em vários inimigos enquanto anda da esquerda para direita em um plano 2D, mas que permite movimentação 3D (para cima e para baixo dentro de cada tela). É importante relembrar também que um dos pontos mais conhecidos da franquia é que, para recuperar a vida, é necessário consumir frangos assados inteiros que normalmente eram encontrados dentro de latas de lixo (não consumam comida da rua, crianças).



Lançado em 1991, Streets of Rage 1 foi um marco nos jogos Beat-em-Up, permitindo várias e várias horas (e mais fichas ainda) de jogatina. Ele usava de jogabilidade simples e divertida, variedade de cenários e chefes, além de individualidades para cada personagem jogável. O segundo jogo foi lançado logo após, em 1992, e também foi recebido com ótimas criticas. Possuía novos personagens e se passava na mesma cidade arruinada pelo crime organizado. O terceiro jogo, lançado em 1994, foi o último da trilogia original e também foi recebido positivamente, apesar de ter sido considerado "mais do mesmo".



Porém, mesmo com a aclamação da série, de 1994 até 2020 o único gostinho de Streets of Rage que a Sega deu aos fãs foi o de relançamentos... Incontáveis plataformas receberam o primeiro ou os três jogos da franquia, sozinhos ou como parte de uma coleção. Portanto, atualmente os jogos são presentes, de alguma forma, tanto no simples Android quanto nos modernos PS4 e Xbox-One.



O que impressiona é que apesar de gráficos datados, o jogo ainda se apresenta com cenários bonitos e bem estilizados: com um olhar é possível saber onde o cenário se passa, sendo áreas da periferia, esgotos, armazéns, etc... Além disso, sua trilha sonora 16 bits impressiona, sendo muito bem composta e conhecendo as limitações do sistema... é agradável aos ouvidos até os dias atuais.


Mais do Mesmo?


Os desenvolvedores (Dotemu, Lizardcube e Guard Crush Games) seguiram muito bem a linha do "se não está quebrado, não é necessário consertar". E de nenhuma forma isso é ruim, já que 29 anos depois do primeiro jogo, a fórmula ainda se mantem muito bem. Consiste basicamente em andar pro lado e bater em inimigos padrão até chegar no chefe de fase. Tudo isso complementado com uma jogabilidade que, apesar de constar apenas dos antigos direcionais (ataque, pulo e especial) com a adição do botão pegar/jogar, se mantém fácil de aprender e agradável. Além disso, existem muitas novidades que deixam o jogo "fresco" apesar do conceito antigo.



Gráficos


Iniciando pela diferença mais perceptível, os gráficos de Streets of Rage 4 são muito bonitos, optando pelo estilo de história em quadrinhos, bordas grossas e sombras pontilhadas. É difícil ver uma adaptação tão boa de cenários e personagens com um estilo tão diferente do antigo pixel art. O design de personagens também se destaca, permitindo que o jogador se reconheça em uma tela cheia de inimigos e outros jogadores, e sendo muito fácil identificar cada inimigo e seu tipo de ataque logo de cara.



A pirotecnia de ataques especiais é muito chamativa e indica muito bem a personalidade de cada personagem, assim como a área de cada ataque. Associado a isso temos os efeitos de soco nos inimigos: com um efeito sonoro associado aos visuais de impacto, cada soco se mostra muito satisfatório.



As várias opções gráficas permitem várias alterações, sendo que até computadores com processadores e placas de vídeo bem antigas conseguem rodar o mesmo sem problemas. Além disso, existem efeitos que simulam televisões de tubo antigas para aqueles que querem sentir a nostalgia com força total.



Pensando nos vegetarianos, agora é possível escolher entre achar frango assado ou salada no lixo (entre outras opções)!



Trilha Sonora


É possível resumir o quão boa é a trilha sonora sem muitas palavras... só ouçam em sequência:



Para os que não podem ouvir agora, a trilha sonora é um eletrônico suave baseado na trilha sonora dos jogos antigos: mais uma adaptação à modernidade muito bem feita.



Ah, a nostalgia.....


Jogabilidade


Como visto um pouco acima, todos os comandos e combos podem ser aprendidos em duas telas (disponibilizadas no próprio jogo). Porém, isso não impede a variabilidade: cada inimigo tem seu próprio estilo de ataque/defesa, além de seu próprio design, forçando o jogador a usar golpes e estratégias diferentes. Além disso, cada um dos personagens são extremamente diferentes e igualmente divertidos (recomendo inclusive jogar com todos), o que aumenta ainda mais a variabilidade, não permitindo que o jogo fique cansativo muito rápido.



O sistema de combos, que já existia em jogos anteriores e foi muito melhorado, é compartilhado entre jogadores e incentiva o jogador a melhorar cada vez mais para conseguir uma pontuação maior. Tal sistema, associado ao ranking dado ao final de cada nível, vai permitir diversos playthroughs para conseguir as melhores pontuações (e consequentemente liberar os 12 personagens retrôs).



Modos de jogo


Com a mudança dos tempos, vem a mudança dos jogos. No lugar de consumir fichas ou seu tempo (simulando um jogo maior que o real), o modo história permite que cada fase tenha seu próprio continue: cada morte com zero vidas se equivale a uma nova tentativa apenas naquele nível. Além disso, é dado uma opção de ajuda ao jogador, em troca do mesmo ganhar menos pontos na nova tentativa.



Agora, para os amantes da dificuldade extrema, não se preocupe: além das dificuldades maiores no modo história, o jogo disponibiliza o modo Arcade, que além de ter uma morte permanente e fases mais difíceis, apresenta uma pontuação total ao final do jogo (ou à morte). Ademais, existe o modo Boss Rush, que permite ao jogador enfrentar vários chefes de nível em sequência.



A maioria dos jogos fica melhor com companhia, e é por isso que além do modo multiplayer online com mais um jogador, Streets of Rage 4 permite quatro jogadores em um mesmo console, deixando o jogo ainda mais caótico e divertido que o normal.


História


Seguindo a linha dos outros jogos, a história mostra a luta de nossos heróis contra uma nova organização criminosa que abala Wood Oak City dez anos após o final do último jogo.

Temos em média quatro horas de jogo e uma história contada por imagens legendadas após cada chefe de fase: ela não impressiona, mas serve de motivação para os diferentes cenários da porradaria.



Vale a Pena?


Se você nunca jogou Streets of Rage na vida, vale a pena sim inciar pelo quarto jogo da série. E se você já cansou de jogar os outros três, ainda sim o caçula da série trará horas de diversão mesmo mão trazendo nada de muito inovador, já que os desenvolvedores focaram em melhorar e aproveitar o conceito antigo... e o fazem com maestria.


Não só um ótimo Beat-em-Up, é uma maravilhosa adaptação da série à atualidade. E deve ser recomendado não só para os conhecidos da série, como para os novatos em jogos no geral. Então vamos jogar! Streets of Rage 4 foi lançado para PlayStation 4, Nintendo Switch, Xbox One e PC.





Aproveite para comentar suas opiniões sobre esse jogo ou qualquer outro da série! Ah, e para mais novidades sobre o universo da cultura pop, fiquem atentos ao Otageek. E não esqueçam de nos seguir no Twitter e Instagram!


otageek amazon prime .jpg