• Isabelle de Paula

O cinema de Wong Kar-wai

Atualizado: Abr 30



Wong Kar-wai nasceu em 17 de julho de 1958, na cidade de Xangai, e migrou para Hong Kong aos 5 anos de idade. Por conhecer apenas o mandarim de sua cidade natal, que se localiza na China Ocidental, sua mãe o levava ao cinema constantemente a fim de que ficasse familiarizado com o dialeto cantonês falado em Hong Kong.


Após se formar em Design Gráfico em 1980, interessado em fotografia, se matriculou em um treinamento financiado pela primeira estação de televisão aberta comercial de Hong Kong, a Television Broadcasts Limited. Lá, trabalhou como assistente de produção e passou a escrever roteiros. Então, em meio a um de seus serviços como roteirista, começou a elaborar sua estreia como diretor, que aconteceu em 1988 com “Conflito Mortal”.


Em 1990, Kar-wai lançou seu primeiro filme autoral: “Dias Selvagens”. Porém, apenas passou a receber reconhecimento internacional com seu longa-metragem de baixo orçamento “Amores Expressos”, de 1994. Atualmente, Wong Kar-wai tem inúmeros trabalhos de sua direção, e em todos eles deixa sua marca de forma tão visceral que é possível reconhecê-lo facilmente.


Amor Líquido


O sociólogo Zygmunt Bauman publicou em 2003 seu livro “Amor Líquido”, no qual aborda a instabilidade das relações sociais na modernidade. Segundo ele, as pessoas são invadidas pela pressa de acompanhar o ritmo frenético dos acontecimentos na sociedade consumista em que vivem. Da mesma forma que trocam os aparelhos celulares por um de modelo mais novo, mesmo que o antigo ainda funcione, vão de um relacionamento para outro, de uma amizade para outra... o que importa é o poder de escolher e possuir.


“Estamos todos numa solidão e numa multidão ao mesmo tempo”.


E podemos ver isso nas obras de Kar-wai “Felizes Juntos”, de 1997, e “Anjos Caídos”, de 1995: todas as relações nelas presentes não possuem nenhuma esperança de progresso e futuro.


"Felizes Juntos" (1997)


"Anjos Caídos" (1995)


Encontros e desencontros


Nos filmes de Kar-wai, costuma-se acompanhar personagens com enredos diferentes mas que às vezes, mesmo de forma inconstante, cruzam caminhos. Isso traz um sentimento familiar por, no dia-a-dia, coisas da mesma natureza acontecerem regularmente. Você conhece uma pessoa em algum lugar, seja em um restaurante, um bar ou simplesmente na rua, dialoga com ela, algumas vezes até como se não fosse uma desconhecida, e ambos simplesmente seguem seus próprios caminhos. Isso pode ser visto principalmente em “Amores Expressos”, de 1994.


"Amores Expressos" (1994)


"Amores Expressos" (1994)


Cores


Kar-wai opta por cores dominantes em algumas cenas e, em outras, utiliza contrastes.

"Amores Expressos" (1994)


"Amores Expressos" (1994)


"Amor à flor da pele" (2000)


Também muda os efeitos durante os filmes, como em “Happy Together”, em que os momentos de maior conflito entre o casal são mostrados em preto e branco, enquanto nos momentos mais calorosos são utilizadas cores fortes e quentes.

“Felizes Juntos” (1997)


“Felizes Juntos” (1997)


O efeito em preto e branco também está presente em “Anjos Caídos”, mas apenas em cenas nas quais se fazem presentes dois dos personagens: um assassino e sua parceira.


"Anjos Caídos" (1995)


"Anjos Caídos" (1995)


Movimento


Outra marca registrada de Kar-wai é o “Step Printing”, no qual é feita a duplicação ou triplicação de quadros que foram filmados em câmera lenta e, depois, projetam-se os mesmos no habitual "24 quadros por segundo". O diretor utiliza essa técnica em cenas com movimento a fim de dramatizar, fazendo o telespectador sentir a velocidade e adrenalina da cena.

Kar-wai utiliza também o conhecido efeito de Câmera Lenta, geralmente em cenas afetuosas entre os personagens ou de reflexão.


"Amores Expressos" (1994)


"Amores Expressos" (1994)


Reflexo


Em momentos de introspecção dos personagens, o diretor faz a utilização de espelhos para simbolizar a reflexão dos mesmos. Usa também o recurso em cenas de ternura.


"Amores Expressos" (1994)


"Anjos Caídos" (1995)


"Amor á flor da pele" (2000)


"Amor á flor da pele" (2000)


Música


Além do grande uso da música pop em suas obras, Kar-wai costuma repetir a mesma música diversas vezes em um só filme. Em “Amores Expressos”, a música constantemente tocada é “California Dreamin”, do grupo The Mamas & The Papas. Já em “Amor á flor da pele”, a música que se repete é “Yumejis Theme”, composta por Shigeru Umebayashi originalmente para o filme.



Essas são apenas algumas das características que fazem o cinema de Wong Kar-wai ser tão especial e genuíno. Para aqueles que ainda não conhecem o trabalho do diretor, recomendo os filmes que mais foram citados no texto: "Amores Expressos" (1994), "Anjos Caídos" (1995) e "Amor á flor da pele" (2000).


Para aqueles que já o conhecem: qual filme do diretor se tornou seu favorito? Tem alguma marca do mesmo que lhe chamou atenção e não foi aqui citada? Conta pra gente!



O Otageek é um portal de jornalismo cultural independente que produz conteúdo sobre cultura pop com uma abordagem mais próxima do Jornalismo e distante dos clickbaits, fake news e achismo.

© 2020 - Otageek BR . All Rights Reserved.