• Heloiza "h1za" Coelho

GRIS é mais do que um jogo de plataforma

Atualizado: há 3 dias


"Gris é uma jovem esperançosa, perdida em seu próprio mundo, que lida com uma dolorosa experiência. Sua jornada pela tristeza se manifesta em seu vestido, que concede a ela novas habilidades para navegar melhor por sua realidade desbotada. Ao longo da história, Gris evolui emocionalmente e passa a ver o mundo de outra forma, revelando novos caminhos para explorar com o uso de suas novas habilidades. Sem perigos, frustrações ou mortes. O jogador deve explorar um mundo elaborado meticulosamente, com um estilo delicado, animações detalhadas e uma elegante trilha sonora. Ao longo do jogo, irão se revelar quebra-cabeças simples, sequências de plataformas e desafios opcionais baseados em habilidades, à medida que você vai abrindo o mundo de Gris.

GRIS é uma experiência quase sem texto, apenas com simples lembretes de controles representados por ícones universais."



GRIS é um dos jogos independentes mais bonitos dos últimos tempos. Desenvolvido pela Nomada Studio e publicado pela Devolver Digital, ele foi lançado no dia 13 de Dezembro de 2018 para Microsoft Windows, MacOS e Nintendo Switch.


Leia também:
Review | Florence

Pode-se dizer que GRIS é apenas mais um jogo de plataforma, porém, é mais do que isso. É sobre reencontrar sua voz em meio à perda, sentir a dor em formas e cores mais opacas, de maneira simples e sutil. E sua historia ainda é aberta à interpretação. Trata-se de uma peça artística, só que na forma de um game.


É fácil eleger GRIS como um dos jogos mais lindos que você já viu na vida. A beleza, música e atmosfera te transportam para um lugar novo, um lugar tranquilo e sensível que ainda não foi explorado. Cada cenário e criatura surpreende, e você se pergunta como algo tão simples pode ser tão magnífico. Nada é entregue por acaso, e isso não te deixa perdido ou confuso. É um jogo rico em detalhes e um agrado aos olhares. Além disso, a importância visual para cada detalhe deixa a gameplay ainda mais fluida.



Não existe uma maneira de morrer ou falhar. Os objetivos são pequenas bolas brilhantes que podem, ou não, ser completamente coletados. É como se não houvesse uma consequência. O jogo traz a proposta de ser fluido como a nascente de um rio, e talvez ser interrompido por um "gamer over" fizesse com que toda essa atmosfera "fluida" fosse quebrada brutalmente.


Cada cenário é uma palheta de cores, como ir ao museu em um Sábado à tarde e redescobrir a arte. É empolgante e reconfortante como um afago. Às vezes você deve soltar o controle e apenas apreciar tudo aquilo, admirar como um jogo pode ser uma obra de arte. É muito mais do que jogar, é sobre sentir.



GRIS não é tão longo quando eu gostaria... chegar ao final foi frustrante por saber que algumas horas de pura fascinação acabariam. As habilidades adquiridas no decorrer do jogo são como um quebra-cabeça que você deve explorar a cada cenário. É como o amadurecimento do nosso corpo, cada vez um novo desafio, uma habilidade diferente. Você deve usar todo o seu esforço para não se deixar levar por uma poeira que tudo arrasta.


GRIS pode ser sobre dor, perda, depressão ou amadurecimento. Acredito que GRIS é como crescer emocionalmente, descobrir novas nuances de você mesmo e explorar caminhos ainda obscuros. O jogo é uma forma abstrata de se contar a história de como devemos lidar com nossas emoções.


Confira o trailer abaixo:



Leia também
Review | Emily is Away


Quer saber mais sobre o universo GEEK? Então siga o Otageek no Twitter, no Facebook e no Instagram.

O Otageek é um portal de jornalismo cultural independente que produz conteúdo sobre cultura pop com uma abordagem mais próxima do Jornalismo e distante dos clickbaits e fake news.

© 2020 - Otageek BR . All Rights Reserved.