• Vitor Guimarães

Glossário para termos de RPG/Ficção


Aqui trago uma explicação de alguns termos usados em textos de RPG para as pessoas confusas.



Tenho notado uma coisa nos últimos textos que publiquei: alguns deles envolvem certos termos comuns aos RPGistas com alguma experiência, mas ao mesmo tempo desconhecidos pelo grande público.


Acabei parando para pensar um pouco e achei que seria interessante preparar um pequeno glossário com alguns termos e explicar um pouco do que eles significam. E já que Cyberpunk 2077 está com lançamento próximo, posso começar com esses termos: Sci-fi e Cyberpunk.



Sci-fi: esse é literalmente Ficção Científica, geralmente de uma forma mais superficial, com viagens no tempo, alienígenas, poderes paranormais, universos alternativos e tecnologias plausíveis. Um bom exemplo é a série Star Trek, que envolve tecnologias possíveis, assim como aliens.



Cyberpunk: citado como um subgênero da ficção cientifica, dessa vez retratada com alta tecnologia, como no desenhos Jetsons, com carros voadores, inteligências artificiais e robôs. Mas, devido à isso, podemos ter uma baixa qualidade de vida, como por exemplo no filme Blade Runner. Em termos mais aprofundados, Cyberpunk é uma distopia futurista.



Steampunk: parecido com o termo anterior, mas ao invés de alta tecnologia temos um “retrofuturismo”. Toda a tecnologia é movida à base de vapor e tudo é feito de madeira, ouro e cobre. Isso acaba ficando mais aparente em Bioshock.



Diselpunk: parecidíssimo com o Steampunk, porém com uma pegada meio diferente. Em vez de vapor, usamos disel. Acho que podemos traduzi-lo como uma distopia na qual tudo é movido à disel e possui estética popular inspirada no período entre-guerras dos anos 50. Temos como um bom exemplo a obra Leviatã, de Scott Westerfeld.


Biopunk: esse acaba fugindo da proposta das “distopias” associadas ao termo punk. O termo Biopunk, por sua vez, envolve uma alta evolução da biotecnologia. Geralmente é mais abordado em paralelo com o Cyberpunk, buscando a evolução humana por meio da engenharia genética, como por exemplo em Resident Evil.



Fantasy Sci-fi: também chamado de Fantasia Científica, nele ocorre uma pequena mistura entre a fantasia e a ficção científica. Em uma forma mais simples de ser dita, nesse gênero algo impossível se torna plausível. Um bom exemplo é Star Wars: mesmo que ele seja mais fantasia do que Sci-fi, ainda assim pode ser classificado como uma Ficção Fantasiosa.



High Fantasy: de certa forma é uma tradução mais livre de Alta Fantasia. Em termos mais simples, retrata um mundo onde a fantasia é tão impressa que chega a ser algo quase natural. Em outro texto citei Senhor dos Anéis, que realmente se encaixa como Alta Fantasia.



Low Fantasy: histórias de Baixa Fantasia são aquelas mais “pé no chão”, como a Fantasia Urbana, por exemplo. De certa forma, é algo menos fantasioso e com menos magia. Uma boa referência é a série Game of Thrones, na qual existe fantasia, mas ela não é tão presente quanto em outras obras.



Dark Fantasy: a Fantasia Sombria contém cenários que geralmente envolvem a desesperança e nos quais seu objetivo é continuar vivendo. Você não é um herói, ou pelo menos não é esperado que você o seja, mas em alguns casos você acaba salvando o mundo só para ver ele caindo mais uma vez e o ciclo se repetindo, como por exemplo em Dark Souls.



Conteúdo relacionado:



Para comprar produtos relacionados às obras citadas, clique abaixo e compre através de nossos links. Assim, você nos apoia a continuar produzindo Jornalismo Cultural de credibilidade!


E se você gostou do nosso conteúdo, te convido a ler nossos outros textos ou ouvir o nosso podcast.



Já sabia de todos esses termos? Se não, pode apoiar o Jornalismo Cultural independente seguindo o Otageek no Twitter, no Facebook e no Instagram e aprender mais um pouco sobre ficções!
otageek amazon prime .jpg