• Sabrina Ventresqui

Disney é massacrada na web por ter filmado 'Mulan' na província chinesa de Xinjiang

Atualizado: Set 9


As críticas ao filme estão crescendo depois que os créditos finais revelaram um agradecimento oficial a entidades governamentais em Xinjiang, local de supostos abusos aos direitos humanos em grande escala, incluindo a detenção de mais de 1 milhão de muçulmanos.



AVISO: AS INFORMAÇÕES QUE CONSTAM NESSA MATÉRIA SÃO SUPOSIÇÕES, NADA FOI APURADO OU CONFIRMADO PELO GOVERNO CHINÊS OU POR OUTROS GOVERNOS.


O remake de Mulan da Disney, que já era alvo de um boicote pró-Hong Kong, está chamando a atenção novamente por ter filmado cenas na província chinesa de Xinjiang, onde Pequim é acusada de supostamente perpetrar abusos aos direitos humanos contra muçulmanos Uigures em escala maciça.


Leia também:
Mulan e os protestos de Hong Kong | Boicote ao filme aumenta na Coreia do Sul

A Disney não só filmou na região, como o estúdio supostamente ofereceu sua gratidão às agências governamentais chinesas envolvidas em supostos abusos.


Após o lançamento de Mulan no Disney +, na última Sexta-feira, alguns espectadores começaram a notar um "agradecimento especial" nos créditos finais do filme a oito entidades governamentais em Xinjiang, incluindo o escritório de segurança pública na cidade de Turpan, onde a China opera mais de uma dúzia de"campos de reeducação"que mantêm Uigures em prisão extrajudicial. A sequência dos créditos também estende um agradecimento ao "departamento de publicidade do Comitê da Região de Autonomia Uigur de Xinjiang do PCC", a agência do Partido Comunista Chinês responsável por produzir e administrar os esforços de propaganda do Estado na região.


Durante anos, a China esteve sob escrutínio internacional por seu tratamento às minorias muçulmanas em Xinjiang. Estima-se que mais de 1 milhão de residentes Uigures foram detidos em campos de internação extrajudiciais. Residentes Uigures relataram terem sido submetidos a regimes de doutrinação política exaustivos, trabalho forçado e esterilização forçada - parte de um suposto programa do governo para suprimir as taxas de natalidade na população muçulmana. A China afirma que os campos de detenção em Xinjiang são parte de um esforço pacífico para melhorar a segurança e o desenvolvimento econômico da região.


Leia também:
Crítica | Mulan

Mulan foi filmado em aproximadamente 20 locais na China, incluindo o deserto Mingsha Shan, que se estende até Xinjiang, e o Vale Tuyuk, a leste de Turpan. Parte da equipe de produção de Mulan disse à revista norte-americana Architectural Digest no início deste ano que passou meses em Xinjiang pesquisando locações antes do início das filmagens.


O diretor do filme, o neozelandês Niki Caro, também compartilhou uma foto de dunas de areia desertas em 2017, com a legenda "Dia 5 - Escoteiro da China" e marcando o local como "Ásia / Urumqi", a capital de Xinjiang. O filme tem a atriz sino-americana Liu Yifei como uma jovem chinesa que se disfarça de homem para poupar seu pai idoso do serviço militar obrigatório. O longa de 200 milhões de dólares já foi objeto de controvérsia após comentários nas redes sociais feitos por Liu no verão passado em apoio à repressão da força policial de Hong Kong ao movimento pró Hong Kong. No fim de semana, a reação aos comentários de Liu foi retomada, com ativistas pela democracia e pelos direitos humanos em Hong Kong, Taiwan e Tailândia usando a hashtag #BoycottMulan. Desde então, alguns desses ativistas notaram a crescente controvérsia em Xinjiang. O proeminente defensor da democracia em Hong Kong, Joshua Wong, twittou:


"Está cada vez pior! Agora, quando você assiste #Mulan, não está apenas fechando os olhos para a brutalidade policial e a injustiça racial (devido ao que os atores principais defendem) , você também é potencialmente cúmplice do encarceramento em massa de uigures muçulmanos. #BoycottMulan", desabafou.

Confira alguns tweets sobre o caso:


"Então, em dezembro de 2018, chamamos a atenção de McKinsey por realizar um retiro corporativo em Xinjiang. Mas o que a Disney fez ao filmar Mulan no epicentro da rede do campo de detenção de Xinjiang - e depois agradecer às forças de segurança nos créditos - está em um nível totalmente diferente".

"Para fazer "Mulan", a Disney trabalhou com quatro departamentos de propaganda na região chinesa de Xinjiang, local de um genocídio contra os muçulmanos. (Desculpas, baguncei o tópico da primeira vez). Aqui está a história dessa insanidade":

Isaac Stone Fish continua:


"O que há de errado em agradecer a Xinjiang? Bem, mais de um milhão de muçulmanos em Xinjiang, principalmente da minoria uigure, foram presos em campos de concentração. A Disney trabalhou com regiões onde o genocídio está ocorrendo e agradeceu aos departamentos que estão ajudando a implementá-lo".

Até o momento, a Disney ainda não se pronunciou sobre o caso.


FONTE: The Hollywood Reporter


Leia mais sobre: Disney e Mulan

Quer saber mais sobre o universo GEEK? Então siga o Otageek no Twitter, no Facebook e no Instagram.

O Otageek é um portal de jornalismo cultural independente que produz conteúdo sobre cultura pop com uma abordagem mais próxima do Jornalismo e distante dos clickbaits e fake news.

© 2020 - Otageek BR . All Rights Reserved.