• Nathy marro

Crítica | The Promised Neverland


“A mulher a quem chamam de 'mãe' não é uma mãe de verdade. As crianças que convivem naquele lugar não são irmãos de verdade. Na Casa Grace Field, moram apenas crianças órfãs. Um lar sem igual, onde 38 crianças sem parentesco algum levam vidas felizes ao lado de suas mães, até que sua rotina pacífica chega a um fim abrupto” essa é a premissa de um dos animes que faz os seus olhos ficarem grudados na tela.



Originado do mangá de 2016, foi escrito por Kaiu Shirai e ilustrado por Posuka Demizu. The Promised Neverland (Yakusoku no Neverland) teve sua estreia em janeiro de 2019, na Fuji TV.



Os personagens principais são Norman, Emma e Ray, três crianças consideradas acima da média em inteligência entre todos do orfanato. Isso é um fator importante para a compreensão de certos aspectos do anime, já que para selecionarem os melhores, as crianças fazem provas diárias físicas e mentais.


Um dia Emma e Norman acabam descobrindo uma verdade cruel e que eles jamais imaginariam, o que os leva a querer elaborar um plano para escapar do orfanato. Os jovens decidem planejar um plano de fuga às escondidas, buscando não ser descobertos pela Mama.


É aí que o jogo começa. Parece brincadeira, mas o anime é um jogo de gato e rato que nos faz lembra muito Death Note. A química entre os personagens, as manipulações, dissimulações e parceria levam a série nas costas, junto com uma antagonista em relação a qual conseguimos criar empatia, mostrando um refinamento de roteiro impecável.



A dosagem na qual as informações eram apresentadas, os obstáculos que surgiam e os sacrifícios necessários para conseguirem fugir contribuem para uma narrativa coesa e crível, seguida por doses de terror e medo da morte, causados pelo desamparo e ignorância inicial dos personagens.


A ambientação, alternando momentos maravilhosos na fazenda durante o dia e macabros durante a noite, mostra a capacidade técnica e controle total que os produtores tinham do material fonte, fazendo com que enquadramentos inovadores acabassem criando tensão, fluidez nos movimentos e, especialmente, constância durante todos os 12 episódios. Isso coloca o estúdio CloverWorksDarling in the FranXX e Seishun Buta Yarou wa Bunny Girl Senpai no Yume wo Minai – no hall das grandes promessas nipônicas para os próximos anos.



The Promised Neverland é uma anime que te surpreende do começo ao fim, e para assisti-lo é só conferir o catálogo do Crunchyroll.



Quer saber mais sobre o universo GEEK? Então siga o Otageek no Twitter,  no Facebook e no Instagram.


otageek amazon prime .jpg