• Nathy marro

Crítica | "Selfie" e a realidade de Nápoles


Documentário chega ao Brasil por meio do festival 8 ½ Festa do Cinema Italiano, que vai até o dia 10 de Setembro, exibindo 20 produções italianas gratuitamente pela plataforma Looke.



Selfie é um documentário italiano de 2019, do diretor Agostino Ferrente. Nele vemos o dia a dia de dois jovens da cidade de Nápoles, mostrando uma Itália diferente daquilo que conhecíamos e nos trazendo para a verdadeira realidade italiana.


Leia também:
8 ½ Festa do Cinema Italiano realiza edição "em casa" e gratuita para todo Brasil
Crítica | A melancolia de "Nico, 1988"
Crítica | A busca pela felicidade aos olhos de "Fortunata"


O filme foi todo gravado através das câmeras de celulares, em modo selfie - quando gravamos e nos vemos na câmera. Através desse olhar, acompanhamos um pouco a história de Alessandro e Pietro, dois jovens que mostram a cidade de Nápoles, principalmente a região onde moram, Rione Traiano. Podemos ver que suas realidades sociais são muito iguais a de muitos jovens de periferias do mundo, desde a luta para achar um bom emprego, até o acesso à criminalidade e ao dinheiro fácil.



Toda essa história começa com a morte de um jovem, que acaba sendo um dos temas centrais do roteiro. A morte do jovem Davide Bifolco em uma operação policial após ser confundido com um homem procurado pela polícia, em 2014. A tragédia é abordada a todo momento pelos rapazes, que entrevistam as pessoas que conviveram com o jovem ou que presenciaram o crime. Ao mesmo tempo, através dos depoimentos, vemos que a realidade de sonho mostrada nos filmes italianos é tão sonhadora quanto aquelas mostradas em qualquer grande produção. Trazer a visão dos jovens que vivem nesse lugar foi um dos pontos positivos desse documentário.



Nele também vemos duas visões diferentes: uma que quer mostrar as partes boas daquele lugar e outra que não se importa de mostrar as partes ruins, como a convivência com gangues locais e até mesmo com mafiosos (que nunca mostram o rosto). Vemos uma realidade mais obscura da cidade, que raramente seria abordada de forma tão incisiva.



O filme em si parece um pouco bagunçado e monótono em alguns pontos, normalmente quando coisas mais rotineiras acontecem, nos lembrando muito os stories do Instagram. Após algum curto período de tempo, vemos uma nova cena totalmente desconexa com a anterior, sendo muito frequente após uma cena de rotina aparecer outra com uma entrevista ou qualquer outro assunto diferente, o que é ajudado pelo fato de não haver um roteiro a se seguir.



Selfie é um filme que vem com uma reflexão muito forte de que a realidade é a mesma em todas as partes do globo e as tragédias se repetem pelos mesmos motivos. Basta mostrarmos a sociedade do jeito que é - problemática, cheia de felicidades simples, injustiça e lutas diárias - ou seja, complexa e linda como qualquer ser humano.


Leia também:
Crítica | Documentário NORMAL e o problema de gênero
Crítica | "Como Um Peixe Fora D'água"
Crítica | O sucesso da jovem estrela italiana em "Desafio de um Campeão"
Crítica | O mistério contínuo de "Nápoles Velada"

Quer saber mais sobre o universo GEEK? Então siga o Otageek no Twitter, no Facebook e no Instagram.

O Otageek é um portal de jornalismo cultural independente que produz conteúdo sobre cultura pop com uma abordagem mais próxima do Jornalismo e distante dos clickbaits e fake news.

© 2020 - Otageek BR . All Rights Reserved.