• Lucas Almeida

Crítica | Resgate



Ao tentar emplacar de vez uma franquia e ampliar ainda mais seu catálogo de filmes, a Netflix lançou, nessa sexta-feira (24), seu mais novo thriller de ação: “Resgate”. Com o astro de Vingadores, Chris Hemsworth, como protagonista, o filme é recheado de cenas de ação. Consegue, assim, encantar os espectadores com os constantes tiros, porradas e bombas.


Na direção, temos a estreia de Sam Hargrave, que até então tinha apenas trabalhado na coordenação de dublês nos filmes do Marvel Studios. O protagonista é Tyler Rake (Hemsworth), um mercenário que recebe a missão de resgatar o filho do chefe internacional do crime. E ele não medirá esforços até que o garoto esteja em um lugar seguro e a salvo.


Sam Hargrave baseou-se no quadrinho “Ciudad de Ande Parks”, de Anthony Russo, Joe Russo e Ande Parks, para a criação da obra. E os irmãos Russo ainda repetem a parceria com o iniciante diretor como os produtores do longa.



Dito isso, os pontos positivos do filme se concentram em suas frenéticas e incansáveis cenas de ação, trazendo o protagonista como uma espécie de “Rambo” da nova geração. Hargrave usa toda sua bagagem de coordenador de dublês para trazer combates surpreendes e truques de filmagens, como foi feito numa perseguição de carros em plano sequência.


Mas como todo filme de ação que se deixa sustentar apenas por ela, acaba se colocando em um vazio de sentimentos e emoções, pois seus personagens não são bem aprofundados pelo roteiro.


O filme, por quase duas horas, apenas joga tiros e porradas na sua tela. Mas chega um momento da história no qual reduzir a pancadaria torna-se necessário. E é nessa hora que a trama se perde por completo.



Os personagens são rasos, por mais que tenha sido incorporado a Tyler um passado sombrio e uma família da qual se arrepende não ter estado por perto. Seu personagem se baseia apenas num soldado com uma história que o assombra e que está constantemente em busca de redenção pelos inúmeros crimes cometidos.


Além disso, se pararmos para analisar, esse tipo de abordagem já foi constantemente explorado em inúmeros filmes do gênero. Dessa forma, fora as constantes cenas de ação, o filme acaba sendo apenas genérico e vazio nas motivações existentes em todos os personagens.


Mesmo assim, há cenas de ação interessantes e Hemsworth se esforça para trazer o carisma já consagrado nos seus antigos filmes. O longa deve agradar boa parte dos fãs do gênero e principalmente aqueles que só querem passar o tempo com uma ação de primeiríssima qualidade.

O Otageek é um portal de jornalismo cultural independente que produz conteúdo sobre cultura pop com uma abordagem mais próxima do Jornalismo e distante dos clickbaits e fake news.

© 2020 - Otageek BR . All Rights Reserved.