• Nathy marro

Crítica | "Os Mosqueteiros do Rei" - uma paródia italiana


O filme chega ao Brasil por meio do festival 8 ½ Festa do Cinema Italiano que está rolando desde o dia 28 de Agosto e vai até o dia 10 de Setembro, exibindo 20 produções italianas gratuitamente pela plataforma Looke.


Leia também:
8 ½ Festa do Cinema Italiano realiza edição "em casa" e gratuita para todo Brasil
Crítica | A melancolia de "Nico, 1988"
Crítica | A busca pela felicidade aos olhos de "Fortunata"
Crítica | "Selfie" e a realidade de Nápoles


Os Mosqueteiros do Rei é um filme italiano de 2018, dirigido pelo diretor Giovani Veronesi, que trás de uma forma cômica uma história sobre os lendários mosqueteiros Athos, Porthos, Aramis e D’Artagnan, mostrando os heróis de uma maneira nada heroica.


O enredo é bem simples e muito parecido com o que já vimos em outras adaptações. Temos novamente o cardeal e seus homens controlando boa parte da França, que está sendo governada pelo jovem rei Luís XIV, o qual faz tudo menos governar.


A rainha, desesperada, então chama os mosqueteiros para auxiliá-la na missão de diminuir os poderes do cardeal, e é aí que a narrativa diverge de suas adaptações predecessoras: em vez de encontrarmos os mosqueteiros que estamos acostumados, nos deparamos com suas versões mais velhas. E quando digo mais velhas, estou dizendo que o mais novo tem 50 anos.



A narrativa é uma coisa muito gostosa de se acompanhar e seus personagens fazem bem jus à versão original, mas ainda assim com uma personalidade própria, muito bem interpretada pelos atores que fazem os mosqueteiros: Pierfrancesco Favano, Valerio Mastandrea, Sergio Rubini e Rocco Papaleo. O longa consegue, assim, trazer algo cômico e com um ótimo timing, ao mesmo tempo em que faz reflexões sobre a velhice e sobre a vida.



As cenas de combate são bem simplistas se comparadas com outras produções da história, mas ainda assim dão um senso de aventura esperado no filme. E por serem suas versões mais velhas, é dada uma veracidade ainda maior aos personagens, mostrando que não perderam o jeito com a espada, mas ainda assim estão velhos demais para certas coisas.



Existe alguns problemas quanto ao roteiro, que parece não saber muito o que quer em certas partes, colocando uma missão dentro da outra sem tudo estar completo. E seu final deixa a desejar, apesar de ser bem interessante a escolha tomada para terminar o filme. Certas coisas são deixadas muito em aberto e ficamos sem saber muito o rumo final da história.


Sua produção é bem-feita, apesar de certas escolhas dentro do figurino, que possivelmente foram feitas para deixar tudo mais engraçado, assim como algumas outras partes da produção, o que deixa ela um pouco mediana em certos setores.



Os Mosqueteiros do Rei com certeza foi uma maneira interessante de inovar algo que já foi contado várias vezes, mostrando que as lendas não se atentam a um gênero apenas, mas podem transcendê-lo. Além disso, o filme é divertido sem perder a essência daquilo que é mostrado no material original. É uma paródia inteligente, a qual mostra que sempre estamos prontos para uma próxima aventura, independentemente da idade.


Leia também:
Crítica | Documentário NORMAL e o problema de gênero
Crítica | "Como Um Peixe Fora D'água"
Crítica | O sucesso da jovem estrela italiana em "Desafio de um Campeão"
Crítica | O mistério contínuo de "Nápoles Velada"


Apoie o Jornalismo Cultural seguindo o Otageek no Twitter,  no Facebook e no Instagram.

O Otageek é um portal de jornalismo cultural independente que produz conteúdo sobre cultura pop com uma abordagem mais próxima do Jornalismo e distante dos clickbaits e fake news.

© 2020 - Otageek BR . All Rights Reserved.