Crítica | Jujutsu Kaisen


“Sofrimento, arrependimento, vergonha: os sentimentos negativos dos humanos tornam-se maldições, causando terríveis acidentes que podem levar até mesmo à morte. E pra piorar, maldições só podem ser exorcizadas por outras maldições. Certo dia, para salvar amigos que estavam sendo atacados por maldições, Yuji Itadori engole o dedo do Ryomen-Sukuna, absorvendo sua maldição. Ele então decide se matricular no Colégio Técnico de Feitiçaria de Tóquio, uma organização que combate as maldições... e assim começa a heroica lenda do garoto que se tornou uma Maldição para exorcizar uma Maldição.”



Leia também:


Jujutsu Kaisen é uma obra de Gege Akutami originalmente lançada na forma de mangá em 2018. Agora ganhou uma adaptação em anime pelo estúdio Mappa, o mesmo que foi responsável por obras como Dorohedoro, Kakegurui e Banana fish.


O enredo gira em torno de Yuji Itadori, um típico estudante que poderia se dar bem em qualquer esporte, mas prefere fazer parte do clube de pesquisa oculta da escola. E foi justamente por estar nesse grupo que ele acabou se envolvendo nesse mundo de maldições.


Yuji Itadori - Reprodução: Crunchyroll

Para salvar seus amigos de uma maldição, ele teve que se tornar uma, pois somente uma maldição pode derrotar outra. Mas aquela na qual ele se tornou não foi uma qualquer: agora ele divide o corpo com um antigo e poderoso feiticeiro, o ser amaldiçoado Ryomen-Sukuna.


Ryomen-Sukuna - Reprodução: Crunchyroll

Toda a narrativa e roteiro do anime estão ótimos. Ao ver o primeiro episódio, você vai querer continuar acompanhando o restante da história.


A combinação de um roteiro claro e sem confusão do Hiroshi Seko com a excelente animação para cenas de luta e ação do diretor Sunghoo Park lhe entregam um anime épico! Você consegue entender facilmente todos os diálogos e a narrativa da história, os quais foram muito bem adaptados do mangá.


Além disso, as cenas de ação estão incríveis: todas as batalhas ocorrem de forma fluida e sem oscilações, conseguindo prender sua atenção e te surpreender. Quer uma referência do quão excelente é a animação? O diretor Sunghoo Park trabalhou no anime original da Crunchyroll The King of High School.


Leita também:


Se você está procurando um bom anime de ação com um diferencial, Jujutsu Kaisen é o anime certo para você.


Além de toda a excelente parte técnica tanto no quesito gráfico quanto no roteiro, o anime entrega ótimos personagens. Eles conseguem te cativar facilmente com suas personalidades equilibradas entre seriedade e bom humor. Yuji Itadori, Megumi Fushiguro e o professor Satoru Gojo são os melhores personagens da série até o momento.


Reprodução - Crunchyroll


São personagens muito bem construídos e balanceados, proporcionando-lhe ótimas cenas de luta e de humor, mas aquela comédia nada forçada. E tanto o protagonista quanto os personagens coadjuvantes são interessantes. Garanto que o Gojo-sensei vai se tornar o seu favorito facilmente.


Megumi Fushiguro, Yuji Itadori e Satoru Gojo

Confesso que ele me lembra bastante o Kakashi... será que foi uma inspiração? Conte para a gente o que você acha.


O conceito de sobrenatural que eles escolheram está bem interessante: ele se assemelha muito ao conceito das maldições e bruxas de Madoka Mágica.


O anime ainda está em exibição e promete muito, o enredo está se revelando pouco a pouco e se mostrando muito promissor. Toda essa ambientação de ação junto ao sobrenatural está sendo bem empolgante, e o melhor é que a obra está conseguindo entregar tudo aquilo a que se propõe.


Megumi Fushiguro

Se você gostou de Bleach no passado e gosta de animes de ação mesclados ao terror sobrenatural, com uma boa história e ótimas lutas, Jujutsu Kaisen é a escolha certa.


Com transmissão simultânea à do Japão por aqui através da Crunchyroll, "Jujutsu Kaisen" recebe um novo episódio todas as sextas-feiras às 3:45 da tarde.



Já começou a acompanhar? Comente com a gente, conte o que você está achando da história ou espera do anime.


E se você gostou do nosso conteúdo, te convido a ler nossos outros textos ou ouvir o nosso podcast.


Apoie o Jornalismo Cultural independente seguindo o Otageek no Twitter, no Facebook e no Instagram.
otageek amazon prime .jpg