• Victor Franco

10 lugares sinistros para usar no seu próximo RPG de terror

Atualizado: Out 9


Nada melhor no mês das bruxas e monstros do que um bom RPG de terror. E nada melhor para entrar no clima do que localizações reais para ambientar aquela mesa de vampiro ou Chamado de Cthulhu.


Vamos para nossa lista macabra!


1. Centralia - A Verdadeira Silent Hill (EUA)



Todos aqueles que tiveram um PS1 ou PS2 se lembram de Silent Hill, o jogo de terror da Konami tão aclamado que angariou uma horda de fãs incondicionais da série. Porém, a produtora já disse que não pretende fazer outro jogo da franquia, o que não impede de jogarmos numa mesa de RPG.


A cidade de Silent Hill foi baseada na verdadeira cidade abandonada de Centralia, localizada no estado da Pensilvânia, EUA. Durante a década de 60 e 70, a cidade chegou a possuir cerca de 2.000 moradores, mas um incêndio acidental acabou por atingir uma mina de carvão de cerca de 10 km de extensão que ficava embaixo da cidade.


O combate ao fogo foi inútil, visto que conforme o carvão queimava e a terra cedia, novas entradas de ar (ou buracos) foram abertas nas ruas da cidade. Uma delas inclusive engoliu um garoto de 12 anos (que foi resgatado depois). Hoje em dia, a cidade conta com 9 habitantes que insistem em ficar lá, todos os lotes foram desapropriados e a cidade vive em uma nevoa de gases tóxicos provenientes da queima de carvão.


Leia também:


2. A Ilha de Poveglia (Itália)



A Ilha de Poveglia é uma das várias ilhas que fazem parte do território italiano. Durante a Idade Média, a ilha foi disputada por venezianos e genoveses, além das disputas durante o século XIV. Foi palco também de batalhas durante o período napoleônico, por isso a existência de estruturas fortificadas e militarizadas no local.


Mas a história realmente sinistra da ilha começa no século XVIII, quando serviu de quarentena forçada para a tripulação naval que chegava até a Itália. A tripulação de 2 navios foram diagnosticada com peste negra e eles foram confinados na ilha, junto com alguns que já estavam lá ou que chegaram depois.


Como o governo italiano não tinha um plano para aquela situação e o rápido contágio e óbitos causados pela doença fizeram com que a ilha virasse um cemitério, as autoridades enviaram agentes de saúde para enterrar os corpos em valas comuns e sem identificação. O total de mortes, de acordo com o The Telegraph na época, foi de 16 mil; a quarentena da ilha, que havia começado em 1776, só terminou em 1840.


Em 1922, a ilha voltaria a ser habitada. Foi aberto um manicômio no local e vários foram os relatos dos pacientes que viam vultos ou eram assombrados por fantasmas, além das operações cirúrgicas e torturas que aconteciam ali. Um caso que chamou a atenção foi o de um dos diretores do hospital que ficou louco e pulou de cima da torre de vigilância. Hoje a ilha está fechada para visitantes, o manicômio foi considerado um fracasso pelo governo e tudo está abandonado em Poveglia.


3. Colina das Cruzes (Lituânia)



Calma, meu caro Tzimisce enfurecido, é claro que o leste europeu teria seu canto sinistro. Afinal, é a parte do mundo de onde vem muito dos monstros que conhecemos. O leste europeu conta com uma grande variedade de pontos macabros, mas se eu fosse listar todos, poderia fazer em outra matéria.


Bom, vamos lá! Na Lituânia, temos a Colina das Cruzes e por mais que você me pergunte como ela surgiu, já lhe digo que ninguém sabe exatamente. A colina conta com aproximadamente 100 mil crucifixos (alô, Lovecraft) e permaneceu cheia de cruzes mesmo durante o período soviético, quando o governo aterrou mais de uma vez os objetos para tentar acabar com o cristianismo na área.


A parte mais interessante é que esse é um lugar de peregrinação e novas cruzes são colocadas lá até hoje, fazendo com que o morro fique cada vez maior.


4. Hotel Akasaka (Japão)



Para aqueles que preferem a cultura oriental e querem se aventurar em um hotel assombrado, temos o Hotel Akasaka. A parte mais interessante é que ninguém sabe exatamente o motivo pelo qual esse hotel é assombrado, mas ele é mencionado em algumas listas dos lugares mais assombrados do Japão.


Houve alguns suicídios e crimes não resolvidos, mas para uma cidade do tamanho de Tokyo isso não é nada incomum. O que deixa o hotel mais sinistro é o quão interativo os fantasmas são. Os hóspedes relataram mudanças abruptas e inexplicáveis de temperatura no quarto, outros contaram terem sentido algo ou alguém acariciando seus cabelos enquanto fingiam estar dormindo. Outros, ainda, relataram serem puxados para fora da cama e presos no lugar para que não corressem.


O caso mais grave até então foi o de uma hóspede que alegou ter sido puxada pelos cabelos pelo quarto e tinha arranhões em suas costas para corroborar sua versão.


5. Monte Cristo (Austrália)



Próxima parada no nosso tour fantasmagórico é na Oceania, para ser mais exato na Austrália. Monte Cristo é aquela típica mansão colonial que poderia ser um museu ou a casa de campo dos sonhos de qualquer um, mas como fantasmas também tem uma certa preferência por coisas velhas, também esse é o caso de Monte Cristo.


Reza a lenda que o lugar é assombrado por mais de uma entidade, porém uma das aparições mais famosas é de um cavalariço que supostamente teria morrido carbonizado depois que fogo foi ateado em seu colchão por ter faltado seu trabalho por motivo de doença. O espírito do cavalariço, assim como todos os demais, é tão poderoso que há relatos de pessoas que desmaiaram ou tiveram crises de asma.


6. O Túnel Gritante (Canadá)



Atravessando o pacífico diretamente para o Canadá, o Túnel Gritante é um pequeno túnel que passava embaixo de um trilho de trem, construído em 1800 inicialmente como escoamento de água para os fazendeiros locais. Eventualmente, o túnel acabou servindo para o transporte de mercadoria e animais, evitando o risco de passar sobre os movimentados trilhos.


A lenda sobre a assombração do local é controversa, mas todas envolvem uma garota e fogo. A história mais contada diz que a garota fugiu de um incêndio em sua casa com as roupas em chamas e acabou por morrer dentro das paredes do túnel. Outra versão diz que a jovem fora estuprada dentro do túnel e o criminoso ateou fogo na jovem para ocultar o crime. Uma outra diz que a garota foi queimada viva pelo seu pai furioso.


Independente de qual terrível versão seja a correta, a certeza é que há uma garota e fogo envolvidos. Os sons que enchem o túnel são os últimos gritos de agonia e dor da garota queimando.


7. Ilha das Bonecas (México)



Passando pelos Estados Unidos, vistamos Centralia e agora vamos descer a América do Norte até a terra da tequila e de burritos. A verdade é que muitos povos da América Latina, principalmente México e Peru, celebram com muita alegria e respeito o Dia de Los Muertos e suas variações, mas é claro que mesmo em um país assim, ainda existam locais assombrados.


Ao sul da capital mexicana está o distrito de Xochimilco. Esse distrito é conhecido pelo seu labirinto de rios e canais e alguns mexicanos descem os canais com pequenas embarcações. Porém, entre esses canais e rios existe uma ilha que pertencia a um homem chamado Julián. Ele vivia isolado na ilha e poucas pessoas sequer o via. Sua cabana ficava a quilômetros embrenhada na floresta nativa da ilha.


A lenda local diz que um dia uma garotinha se afogou próximo ao local enquanto tentava pegar a boneca que caíra no rio. Julián resgatou a garota já sem vida e a boneca com ela e, daquele dia em diante, o homem passou a ouvir choros lamentosos, passos leves entre a vegetação e sussurros. Então, o homem passou a pendurar bonecas nas árvores da ilha tentando apaziguar o espírito inquieto da garotinha.


Durante 50 anos ele pendurou as bonecas ou parte delas, até que em 2001 ele morreu no mesmo local onde achara o corpo da garotinha muitos anos atrás.


8. Edifício Joelma (Brasil)



Sim, meus caros leitores, essa foi uma das maiores tragédias que nosso país vivenciou e lamentavelmente houve ao menos 187 mortos e mais de 300 feridos. Infelizmente, devido ao número de vítimas, o incêndio do Edifício Joelma é considerado a segunda maior tragédia em arranha-céus do mundo, perdendo apenas para as torres gêmeas em 2001.


O incêndio ocorreu em 1974, apenas 2 anos após o término de sua construção. Devido a um curto circuito na fiação de um ar condicionado no 12º andar, o incêndio começou e a forma com que o prédio foi construído e mobiliado influenciou muito. O chão feito com carpete, cortinas de tecido, mobília de madeira e a falta de uma escada de incêndio fizeram com que o incêndio se espalhasse de forma incontrolável pelos demais andares.


Os detalhes da tragédia são fortes, então não entrarei neles aqui, mas informações podem ser encontradas facilmente em jornais da época. O prédio foi restaurado e hoje está em pleno funcionamento e adequado às normas de segurança. Entretanto, alguns funcionários do local, principalmente os noturnos, alegam ouvir gritos nos andares superiores, vultos correndo e inclusive alguns relatos falam dos elevadores subirem e descerem sozinhos para andares, sem ninguém dentro.


9. Castelo Boa Esperança (África do Sul)



Vamos atravessar o atlântico agora e ir direto para o continente mãe, África. O Castelo Boa Esperança foi construído pela Companhia das Índias Ocidentais, lá na época dos piratas, e hoje é a construção colonial mais antiga da África do Sul.


Construída pelos holandeses, essa fortaleza foi a sede de comercial e militar da Companhia, porém o castelo também conta com uma masmorra e salas de tortura que foram usadas durante o período. Devido a isso, vários relatos de atividades paranormais cercam o local. Alguns relatos são de um senhor alto de preto que pula de um parapeito para a "morte", outro de um cão negro que ataca os visitantes e desaparece em plena vista e um sino que toca sozinho.


10. Praça Berkeley, 50 (Londres, Inglaterra)



A área conhecida como Praça Berkeley é um ponto famoso com direito até a música, a canção popular "A Nightingale Sang in Berkeley Square". Contudo, nessa simpática área residencial de Londres, existe uma casa que de amistosa não tem nada. A casa 50 da Berkeley Square é a morada de vários fantasmas, o mais antigo sendo de uma garotinha que foi assassinada por um criado em 1700. Ela habita o último andar da casa e é frequentemente vista chorando e contorcendo as mãos em desespero.


Outro fantasma é uma mulher que tentou escapar de seu tio e caiu para a morte e seu espírito é visto segurando um parapeito de uma das janelas da casa. Durante os anos de 1870, os vizinhos relatavam ouvir gritos, móveis se movendo, a campainha tocando, entre outras atividades paranormais.


Anos mais tarde, a casa foi moradia de um Sr. Dupre, esse que possuía um "irmão louco". Ele o trancava em um dos quartos do último andar e o alimentava através de uma abertura na porta. Esse quarto, dizem, registra o maior número de casos paranormais desse homem. Durante um tempo funcionou ali uma livraria e vários foram os relatos de funcionários sobre atividades sobrenaturais. O último andar sempre se manteve trancado e proibido.


Participações especiais


Castelo de Bran (Romênia)



O Castelo de Bran é a fortaleza medieval que serviu de inspiração para Bram Stoker situar a residência de seu mais célebre monstro, o vampiro Drácula. O próprio Vlad Tepes residiu nesse castelo durante algum tempo em que viveu exilado, fazendo seus planos militares.


O que acontecia no interior do castelo é um mistério, visto que Vlad estava exilado, mas pela fama que ele carrega dá para imaginar que coisas felizes e alegres não ocorriam.


Castelo de Čachtice (Eslováquia)


Esse castelo, que possui apenas algumas ruínas do que um dia foram suas paredes, foi um dos cenários de gravação do filme Nosferatu, mas seu passado guarda muito mais tenebrosidades. Esse castelo também foi lar de uma das assassinas seriais mais eficientes do mundo, Elizabeth Bathory.


Ela foi uma condessa húngara que ao longo de seu reinado recrutou, torturou e matou cerca de 650 mulheres, de acordo com uma testemunha da época do julgamento (o número exato, entretanto, é incerto). Todas as mulheres eram jovens e serviçais do castelo da condessa e o motivo para tal ato também é questionável e normalmente vinha por boatos.


Alguns dizem que ela buscava a juventude eterna se banhando no sangue das moças jovens, outros tantos alegam que ela tinha relação com satanismo e magia negra e alguns outros mencionam que ela poderia ter epilepsia e buscava a cura através do sangue. Ela nunca foi executada por seus crimes, pois sua família era muito poderosa e influente. Ao invés disso, foi condenada a prisão e encarcerada no seu castelo. Morreu naturalmente por volta dos 50 anos.


Salém (EUA)



A cidade onde aconteceu o famoso julgamento das Bruxas de Salém. O pequeno local de cerca de 50 mil habitantes foi o palco do famoso julgamento em 1692 onde 30 pessoas foram declaradas culpadas de bruxaria e 19 foram condenadas para a forca. Acredita-se que os condenados foram executados em Gallows Hill, em Salém.


O julgamento foi conduzido por entidades judiciárias e eclesiásticas puritanas da época. Todos os acusados foram julgados pelos mais variados crimes, até mesmo um simples bolo foi usado para acusar uma mulher da época. O tribunal de Salém continuou a julgar, condenar e executar diversas pessoas no decorrer dos anos seguintes, mas eventualmente os membros do tribunal se arrependeram do que fizeram e se confessaram perante Deus.


Leia também:



Se você gostou do nosso conteúdo, te convido a ler nossos outros textos e ouvir o nosso podcast!



Apoie o Jornalismo Cultural independente seguindo o Otageek no Twitter, no Facebook e no Instagram.

otageek amazon prime .jpg